quarta-feira, 16 de julho de 2008

Bem x Mal e as zonas cinzentas

De vez em quando passamos por algumas situações em que ficamos com dúvidas se o certo é realmente a melhor coisa a ser feita e nos sentimos impotentes (não no sentido sexual) frente ao velho chavão de que entre o bem e o mal existe uma larga faixa cinzenta.

Ontem eu sai de uma reunião em Moema e peguei a Av. Ibirapuera para voltar ao escritório. Era perto das 19 horas e, como sempre, o trânsito estava congestionado. Fiquei no tradicional anda e pára, até que cheguei a um cruzamento com semáforo. O sinal estava verde, mas eu resolvi ficar parado antes da faixa de pedestres para não fechar o cruzamento.

Me senti bem tomando esta atitude e senti orgulho da minha civilidade. Pena que esta nobre sensação não durou dez segundos.

O motorista do ônibus que estava atrás de mim se irritou, me passou pela esquerda e cortou com tudo para entrar à direita. No mesmo instante, dois motoqueiros me cortaram pela direita e o resultado não poderia ser outro. O primeiro motoqueiro conseguiu passar e o segundo quase bateu na lateral do ônibus. Pena que o ônibus continuou fazendo a curva e acabou derrubando a pequena scooter e, na seqüência, passou por cima, destruindo toda a frente da motinho.

Felizmente o motoqueiro não sofreu nenhum ferimento, mas eu fiquei com a sensação de que eu tive certa parcela de culpa. Talvez, se eu tivesse sido menos civilizado, este acidente não teria acontecido.

Maldita zona cinzenta que permeia as nossas vidas.
Postar um comentário