segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Born to be wild

IMG_8603

O domingo teve um sabor diferente porque eu sempre fui um grande entusiasta do automobilismo, mas ontem eu vivi um dia de motocliclista sem querer.

Tudo começou com um torpedo que recebi do meu irmão, me oferecendo credenciais para as 500 milhas. Como todo bom fominha, abracei a oportunidade na hora porque não é sempre que temos a oportunidade de fotografar ferraris e porsches de corrida nos boxes.

Dias depois combinamos que ele me daria carona de moto porque o convite só podia ser retirado no dia da corrida, na loja em que ele compra acessórios de moto. Ele me pegaria em casa e eu iria até a loja na garupa da moto dele para tomarmos o café boca livre e pegar as credenciais.

Meu filho mais velho até ficou preocupado e me disse:

- Pai, você vai na garupa do tio?

- Sim. Respondi orgulhoso pela preocupação dele com a minha integridade física.

- Então segura na parte de trás da moto porque eu não quero ter pai boiola que segura na cintura de outro homem, mesmo que seja irmão.

Bem, acho que ele estava mais preocupado com o mico do que com a integridade do pai, mas tudo bem.

No dia combinado, meu irmão passou em caso e nós seguimos para a loja. Tomamos café com outros motociclistas, conversamos sobre motos e dei uma olhada nos acessórios para motociclistas.

Na hora combinada, seguimos em um comboio formados por umas trinta motos e eu, seguindo o conselho do meu filho, fui fazendo a pose de mau.

IMG_8468

Chegamos nos autódromo de Interlagos e entramos no estacionamento. Vi um mar de motocicletas e nem me liguei. Mas quando chegamos na próximo da pista, vi duas motos de corrida e, finalmente, estranhei.

Pensei se tratar de uma corrida preliminar como existem na fórmula 1. Depois deveriam entrar os carros.

Só fui me tocar de verdade já dentro dos boxes, quando só vi motos de corrida e perguntei ao meu irmão:

- Meu... São 500 milhas de motociclismo?

Meu irmão me olhou assustado e falou:

- Meu... Uma loja de motos que nos deu as credenciais, nós viemos num grupo de 30 motociclistas, o estacionamento só tem motos e você só percebeu isto agora?

- Cara... nunca me passou pela cabeça assistir uma corrida de motos. Respondi sem graça.

Mesmo com a minha falta de percepção, no final tudo deu certo. Assistimos a corrida, tirei muitas fotos e me diverti na primeira vez que assisti uma corrida de motociclismo. Sinto que até peguei o vírus do motociclismo e agora estou com vontade de comprar uma para eu fazer uns passeios.

-------------------------------------------------------------

Fotos: Marco Y

10 comentários:

Anônimo disse...

tenho vontade de ter uma moto, mas acho perigoso.

Fabiane Bastos disse...

Curiosidade: quantos anos tem seu filho mais velho???

Fabi disse...

Nossa! Percepção não é o forte de alguns homens mesmo!

Sentimental ♥ disse...

moto é igual vírus.

Cadinho RoCo disse...

Pois eu gosto muito de uma bela motocicleta.
Cdinho RoCo

Anônimo disse...

Olá Marco... Obrigado por disponibilizar as fotos das 500 Milhas, vamos colocar no Blogger do MotoUSE.
Sua opinião e cobertura sobre os eventos serão sempre Bem Vindas.
Obrigado e Grande Abraço,

Equipe MotoUSE.

Juliana disse...

criança é uma coisa mesmo! Não quer ter pai biola!
Que bo que deu tudo certo e a corrida foi boa!

Kenia Mello disse...

Alexandre Barros correu? :)
Beijos.

Marcella Leal disse...

Otima essa do seu filho!
Ele tá certinho!
Morro de medo de moto, meu pai tem uma de estimaçao e o meu tio também, as duas estão a venda porque eles perderam um primo de 20 anos ano passado em um acidente de moto.

pOst novo no blog!

Silvia Faustino Linhares disse...

Moto é gostosa como bebida, mas tem que ser usada com moderação. Vicia e é perigosa.

Espero também poder fotografar as 500 Milhas todos os anos, agora que ela voltou a Interlagos.

São lindas. Aqui em casa sempre tivemos moto, meu marido corria endurance a 10 anos atrás. Se ralou algumas vezes, mas nunca nada sério. No trânsito nunca aconteceu nada de ruim com a gente e é uma salvação para o trânsito daqui. Gostei muito do relato. Parabéns!