quarta-feira, 29 de julho de 2015

Máquina de escrever Olivetti Lettera 32

Esta jornada pela caligrafia, tipografia e canetas tinteiros está me levando a lugares totalmente inesperados como esculpir canetas em pedaços de bambu, estudar a evolução da escrita, dos alfabetos e dos suportes a escrita como paredes de cavernas, placas de argila, pedaços de couro, papiro e chegando no papel moderno.

Nesta semana consegui uma antiga máquina de escrever Olivetti Lettera 32, também conhecida como Underwood em alguns países, e fabricada entre 1963 e 1977. Este exemplar pertenceu a família da minha esposa e foi utilizada para trabalhos escolares de toda a família. A sua cor verde é muito bonita, apresentando um tom bem característico da época.



Olivetti Lettera 32 typewriter - Máquina de escrver Olivetti Lettera 32
Olivetti Lettera 32

A minha surpresa é que foi só tirar da maleta, lubrificar alguns pontos móveis que estavam travados pelo tempo e já pude desfrutar a sensação de encarnar Jack Kerouac datilografando o lendário livro Pé na Estrada (On the road).

Ao longo desta jornada descobri que, diferente da perfeição dos textos produzidos em computadores, existe um beleza primitiva nas escritas feitas mão e em máquinas de escrever. Esta beleza vem da imperfeição nos formatos das letras, seus borrões e, no caso das máquinas de escrever, o desalinhamento e as diferenças de cores proporcionadas pelas mudanças de força ao pressionar a teclas. Mesmo que o texto seja o mesmo, cada cópia datilografada é diferente e única, apresentando a personalidade da pessoa que o produziu e da máquina utilizada.

Olivetti Lettera 32 writing sample - Amostra da escrita da Olivetti Lettera 32
Amostra da escrita da Olivetti Lettera 32 e a personalidade das imperfeições
Postar um comentário