domingo, 6 de março de 2016

A miséria do meu ser

Ninguém cinhece quem sou. Nem eu mesmo me conheço. E, se me conheço, esqueço. Porque não vivo onde estou. "A miséria do meu ser" em Poesia completa de Fernando Pessoa.

 
Escrito com uma caneta tinteiro Montblanc Meisterstück Classique pena OBB e tinta Parker Quink Black.
O papel é Vergê de 180 g/m2.
Postar um comentário